segunda-feira, 26 de outubro de 2015

Aniversário


Óleo sobre tela 80x60cm
"Aniversário"
Rui Pascoal - 2015


Aniversário

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu era feliz e ninguém estava morto.
Na casa antiga, até eu fazer anos era uma tradição de há séculos,
E a alegria de todos, e a minha, estava certa com uma religião qualquer.

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos,
Eu tinha a grande saúde de não perceber coisa nenhuma,
De ser inteligente para entre a família,
E de não ter as esperanças que os outros tinham por mim.
Quando vim a ter esperanças, já não sabia ter esperanças.
Quando vim a olhar para a vida, perdera o sentido da vida.

Sim, o que fui de suposto a mim-mesmo,
O que fui de coração e parentesco.
O que fui de serões de meia-província,
O que fui de amarem-me e eu ser menino,
O que fui — ai, meu Deus! o que só hoje sei que fui...
A que distância!...
(Nem o acho... )
O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!

O que eu sou hoje é como a umidade no corredor do fim da casa,
Pondo grelado nas paredes...
O que eu sou hoje (e a casa dos que me amaram treme através das minhas lágrimas),
O que eu sou hoje é terem vendido a casa,
É terem morrido todos,
É estar eu sobrevivente a mim-mesmo como um fósforo frio...

No tempo em que festejavam o dia dos meus anos ...
Que meu amor, como uma pessoa, esse tempo!
Desejo físico da alma de se encontrar ali outra vez,
Por uma viagem metafísica e carnal,
Com uma dualidade de eu para mim...
Comer o passado como pão de fome, sem tempo de manteiga nos dentes!

Vejo tudo outra vez com uma nitidez que me cega para o que há aqui...
A mesa posta com mais lugares, com melhores desenhos na loiça, com mais copos,
O aparador com muitas coisas — doces, frutas, o resto na sombra debaixo do alçado,
As tias velhas, os primos diferentes, e tudo era por minha causa,
No tempo em que festejavam o dia dos meus anos...

Pára, meu coração!
Não penses! Deixa o pensar na cabeça!
Ó meu Deus, meu Deus, meu Deus!
Hoje já não faço anos.
Duro.
Somam-se-me dias.
Serei velho quando o for.
Mais nada.
Raiva de não ter trazido o passado roubado na algibeira! ...

O tempo em que festejavam o dia dos meus anos!...


Álvaro de Campos

28 comentários:

  1. Para o menino Rui, uma salva de palmas!

    Beijinhos. :)

    ResponderEliminar
  2. Parabéns caro Rui Pascoal!
    Gostei desta publicação a si merecidamente dedicada! A pintura é de top! Adorei.
    Abraço

    Rui Pires

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Modéstia à parte, costumo fazer um arroz doce muito mais saboroso... e sem canela.
      :)
      Cordiais saudações.

      Eliminar
  3. Parabéns!
    O óleo está super giro, muito certo para a celebração.
    um beijinho
    Gábi

    ResponderEliminar
  4. Quanta alegria e quanta cor nesta tela! :)
    Parabéns ao si Rui. Obrigada pela partilha da sua tela e pelo poema de Fernando Pessoa no heterónimo de Álvaro de Campos (é dos meus heterónimos preferidos).

    Abç

    ResponderEliminar
  5. Parabéns Rui pelo aniversário e pela colorida e bonita tela.
    Desejo-lhe muitos anos com saúde e alegria e a pintar,sempre!
    Beijinho

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não me faça mais velho do que já sou... só faço anos para Junho.
      :)
      Beijinhos

      Eliminar
  6. Uma festa de aniversário, da criança de 6 anos, muito colorida e para todas as idades ! :)) ... onde todos estão alegres e não falta o palhaço nem o gato ! ... Uma verdadeira festa para uma criança feliz !!!

    Muito bom, Rui ! :))
    .

    ResponderEliminar
  7. Antes de mais, gosto imenso deste poema. Dos aniversários de um tempo em que nada percebíamos de perspectivas e expectativas, e o sonho era a realidade. O tempo em que se era feliz sem se ter disso a noção.
    Quanto ao seu quadro, há nele cor e movimento até dizer chega, e decerto aquela criança é feliz e não sabe, porque essa é a verdadeira forma de ser feliz. Adoro as cores vibrantes, a atmosfera de alegria, e o ar absolutamente indiferente do gato.
    Parabéns, Rui!
    xx

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. O ar de enfado do gato é compreensível. Quem é que tem sete vidas, quem é?
      :)
      Obrigado Laura.

      Eliminar
    2. Pois, quem tem sete vidas, só pode achar ridículo andar a celebrar aniversários!...:-)

      Eliminar
  8. Parabéns à menina que está a soprar as velas e se bem as contei...são seis!!
    No retrato estão todos muito bem identificados, especialmente o D.F. de óculos, a quem mando os meus cumprimentos pelos recentes êxitos.
    O palhaço estava a animar a Festa, e, como a imagem reflecte, a felicidade foi geral. Aqui não há aniversário do amigo Pascoal...:)

    Beijinhos para todos e continuação de bons momentos.

    Janita

    ResponderEliminar
  9. Muitos parabéns! Gosto mesmo muito da presença do gato na festa!!!

    Beijinhos e ronrons...

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Aqui em casa o(s) gato(s) já faz(em) parte da família.
      :)

      Eliminar
  10. EXCELENTE!!!
    Parabéns pelo aniversário, o quadro, o poema.
    Aquele abraço

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Não, não é segredo
      Aniversário só em Junho
      O meu e o do Pedro.
      :)

      Cordiais saudações.

      Eliminar
  11. Muitos parabéns, Rui!!!!!!
    Pela pintura, alegre e festiva, que transpira comemoração... e pela escolha do magnífico texto que a acompanha... fascinante e desarmante... como só as palavras de Pessoa o sabem ser...
    Um post fantástico por aqui!...
    Abraço! Boa semana
    Ana

    ResponderEliminar
  12. É lindo esse poema _ e nao sabia que era sagitariano.
    Também sou!
    E essa tela é uma lindeza_ fico rendida com família que tem um gato... rs
    Destrava essa pausa e vamos celebrar com nossos amigos blogueiros_ o facebook as vezes é também um enfado... rs
    abraços Rui pra você e a Ana.

    ResponderEliminar
    Respostas
    1. Sagitário? Eu cá sou caranguejo
      Mas é a andar para a frente que me vejo.
      :)

      Eliminar